10 AM | 22 abr

Palestra sobre Direito Eletrônico, Startup e Empreendedorismo Digital

Em, 17/04/15, os advogados Joab Hardman e Wilkeens Lima ministraram para os discentes e docentes do Centro Universitário Luterano de Santarém – ULBRA/SANTARÉM, das Faculdades Integradas do Tapajós – FIT e da Universidade Federal do Oeste do Pará – UFOPA, curso e palestra sobre direito eletrônico, startup e empreendedorismo digital. Foram 8 horas de atividades intensas e aproximadamente 300 participantes.

 

Fonte: http://www.hardmanadvogados.com.br/

10 AM | 13 abr

Empreendendorismo e cultura digital são discutidos na 1ª expedição do barco Hacker em Manaus

A necessidade de transformar a cultura empresarial na Amazônia foi uma das discussões levantadas a bordo da 1ª expedição do barco Hacker em Manaus, realizada no dia 11 de abril. Com o tema Cultura Digital na Amazônia, a expedição propôs debates, palestras e oficinas com ênfase no empreendedorismo social, nos ecossistemas de startups, na cultura digital e na produção de conteúdo utilizando plataformas livres.

Com uma programação intensa de 10 horas, o evento reuniu 35 participantes a bordo, entre empreendedores, profissionais da áreas de programação, design, de instituições de ensino, entre outras áreas. “A procura pela expedição foi grande, mostrando o interesse pela temática. A iniciativa reuniu pessoas com o mesmo interesse, estimulando a integração, principalmente entre participantes de iniciativas que ainda não se conheciam, e favorecendo a evolução de quem já está fazendo alguma coisa por aqui”, destacou Daniel Goettenauer, da FabriQ Aceleradora, uma das organizadoras do evento em parceria com o projeto Barco Hacker, do Pará. A parceria promete ser a primeira de uma série.

Para o professor da Faculdade de Economia da USP e pesquisador Ricardo Abramovay, convidado que abordou a relação empreendedorismo e economia, o movimento representado pela viagem do barco Hacker em Manaus é um movimento que parte da ideia de que empreendedores, pessoas com ideias e projetos interessantes, podem gerar conjunto de iniciativas úteis não só para eles, mas, sobretudo, úteis para a sociedade.

“As grandes mudanças socioambientais de que necessitamos exigem transformações culturais. Empreendedorismo que se apoie na cultura digital. A cultura digital traz um duplo desafio, que é reunificar sociedade e natureza e reinserir a ética no coração da economia”, afirmou o especialista.

Para o contador Alessandro Dinelli, fundador da Descarte Correto, que há três anos atua no segmento de negócios sociais por meio da gestão de resíduos tecnológicos, a proposta do evento chamou a atenção e veio reafirmar o caminho de negócio social que a empresa vem seguindo. “A integração e o networking entre empreendedores foram  muito positivos. Podemos ver iniciativas de educação e cultura digital e a discussão de conceitos como economia circular”, disse Dinelli.

A administradora, empreendedora e blogueira “tech” Talita Lombarde, de Salvador, trouxe sua experiência para discutir os ecossistemas de startups no Brasil e oportunidades de negócios. “Aqui em Manaus estamos vendo iniciativas para impulsionar a formação e o sucesso de startups. Esses movimentos de capacitação e aceleração vão fazer a diferença”, afirmou. Além desses movimentos, Talita destaca a importância de o empreendedor exercitar a curiosidade. “Quem quer iniciar uma startup deve focar num nicho de atuação, validar esse negócio e, a partir daí, expandir o negócio, que deve ser replicável. A oportunidade é estar inserida em um mercado, conhecer bem para poder pensar em inovações e ser sempre curioso”, orienta.

Compartilhamento

Comandando a oficina de Web TV, o designer Eduardo Novaes, colaborador da Rede Espírito Livre e fundador da Casa da Cultura Digital Vila Velha, no estado do Espírito Santo, apresentou como é o processo de produção de uma Web TV utilizando multimídias livres.

“O que me trouxe aqui é o que acredito ser a essência do barco Hacker, que é o compartilhamento de conhecimento. Trouxe minha experiência e aprendizado sobre cobertura colaborativa de vídeos e como se pode estruturar um  estúdio que cabe na mochila. Mostro que há equipamentos mais caros, mas também há opções de tecnologias antigas, que já são superadas em termos de qualidade de imagem, mas que têm seu valor de registro e de oportunidades enquanto não se tem algo mais avançado”, explicou.

Projeto Barco Harcker

Com um ano e cinco meses de atividades, o projeto Barco Hacker, fundado pela administradora paraense Kamila Brito, é um espaço móvel de cidadania, tecnologia e informação que circula pelos rios da Amazônia com intuito de compartilhar as melhores experiências tecnológicas, culturais e empreendedoras entre o público a bordo e comunidades por onde passa.

“O formato pode ser flexível e adaptável para qualquer barco. Esta foi a primeira expedição realizada fora do estado do Pará. Conseguimos promover na viagem de Manaus atividades simultâneas, como lazer, ecoturismo, oficinas, workshops e debates, além de trazer convidados de outros estados dispostos a propor diálogos e desafios”, disse.

A expedição de Manaus contou com patrocínio do Laboratório Sabin, Cardume Coworking, Bemol, Cyjumanque e apoio da Jaraqui Valley e da Pra que Rumo.

Texto: Anália Barbosa

03 PM | 24 mar

FAPEAM divulga resultado final do enquadramento do Edital 25/2013 – Tecnova/AM

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (FAPEAM) divulgou o resultado final da análise de enquadramento do Edital 25/2013 do processo de seleção pública do Programa de Subvenção Econômica à Inovação Tecnológica em Micro e Pequenas Empresas no Estado do Amazonas (Tecnova Amazonas). As 41 empresas habilitadas terão acesso facilitado a recursos financeiros para o desenvolvimento de projetos de inovação tecnológica em todo o Estado do Amazonas. O Tecnova Amazonas é uma iniciativa do Governo do Estado, por intermédio da FAPEAM, e do Governo Federal, por intermédio da Financiadora de Estudo e Projetos (Finep). Com o Tecnova Amazonas, as duas instituições irão disponibilizar um valor recorde para que as micro e pequenas empresas das áreas de gás e petróleo; energias alternativas; tecnologias da informação (TI); construção naval; produtos alimentícios; florestais e biotecnológicos; e produtos e serviços ambientais possam criar um cenário propício ao desenvolvimento de um ecossistema de inovação dinâmico e robusto. Além da FAPEAM e da Finep, o Tecnova Amazonas é resultado do esforço conjunto de uma rede de parceiros capitaneada pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação do Amazonas (Secti-AM) e que envolve a Agência de Fomento do Estado do Amazonas (Afeam); Rede Amazônica de Incubadoras (Rami); Instituto Euvaldo Lodi (IEL); e Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) e que conta com o apoio do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). Para a diretora-presidenta da FAPEAM, Maria Olívia Simão, o Tecnova Amazonas é extremamente importante para o desenvolvimento econômico e social do Estado, já que o modelo de subvenção econômica propicia as condições ideais para que as micro e pequenas empresas possam investir em inovação tecnológica. A diretora acredita que o valor que está sendo disponibilizado, R$ 13,5 milhões (sendo R$ 9 milhões pelo Governo Federal e R$ 4,5 milhões pelo Governo do Estado), possibilitará o aperfeiçoamento de diversos produtos e serviços, ganhando, com a isso, a sociedade amazonense e a sociedade brasileira. As propostas submetidas ao edital foram apresentadas por micro e pequenas empresas amazonenses interessadas em desenvolver projetos de inovação tecnológica com apoio financeiro do Governo do Estado e do Governo Federal. Em dezembro, foi realizada a primeira etapa do processo seletivo, chamada de enquadramento, que consistiu na análise do cumprimento dos requisitos e documentos solicitados para a concorrência ao edital. Agora, a FAPEAM está divulgando o resultado final do processo.

03 PM | 24 mar

FabriQ recebe Prêmio Finep de Inovação

A empresa amazonense FabriQ recebeu o Prêmio Finep de Inovação 2014 – Categoria Pequena Empresa da Região Norte. A cerimônia de premiação dos projetos das cinco regiões brasileiras e do Distrito Federal acontece às 19h, no Teatro Municipal do Rio de Janeiro. O Amazonas teve vencedores em outras duas categorias; Inovação Sustentável e Instituição de Ciência e Tecnologia (ICT). Empresa integradora de Soluções de Tecnologia da Informação e Comunicação, com atuação nas áreas de desenvolvimento de software, suporte de sistemas, educação e aceleração de startups, a FabriQ está há 12 anos no mercado e atende clientes em todo o Brasil em mais de 50 projetos de inovação desenvolvidos para indústria e governo. Com 561 inscrições de todo o país, em 2014, o Prêmio Finep de Inovação vai distribuir de R$ 100 mil a R$ 500 mil para os primeiros colocados regionais e nacionais de cada categoria, totalizando cerca de R$ 8 milhões em prêmios. Apenas 26 projetos foram contemplados com os prêmios regionais, sendo que os primeiros colocados ainda competem na final nacional.

Sobre a FabriQ Empresa de onde saiu, em 2014, o Microindustrial do Ano, seu diretor executivo, Fredson Andrade da Encarnação, eleito pela Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (FIEAM), a FabriQ tem entre seus principais produtos e serviços softwares especialistas nas áreas de gestão de qualidade e chão de fábrica, bem como softwares de acompanhamento e avaliação da gestão de projetos de inovação. De acordo com Fredson, a maior aposta que a empresa fez no último ano foi desenvolver startups com alto potencial de crescimento, sendo que no seu primeiro ciclo de aceleração está apoiando as startups Comic Bits, Efisis, Expertze, Griô, Praquerumo e Tánaobra, cujos resultados poderão ter abrangência nacional e internacional. Em sua trajetória, a FabriQ vem sendo apoiada por instituições como CIDE/Suframa, Fapeam/SECTI/Finep, IEL/CNPq, Fucapi, Sebrae e Ufam, em projetos para desenvolvimento de produtos, aumento da competitividade e diminuição de riscos associados às atividades de inovação. Além da FabriQ, detentora do Prêmio Finep 2014 na categoria Pequena Empresa, o Amazonas estará representado na cerimônia de premiação, nesta quarta-feira, pela Ecoete – Tecnologias de Preservação Ambiental, premiada na categoria Inovação Sustentável, e pela FPF Tech – Departamento de P&D de Software e Hardware, na categoria ICT.

O Prêmio

O Prêmio Finep de Inovação foi criado em 1998 para reconhecer e divulgar esforços inovadores realizados por empresas, instituições sem fins lucrativos e pessoas físicas, desenvolvidos no Brasil e já inseridos no mercado interno ou externo, a fim de tornar o País competitivo e plenamente desenvolvido por meio da inovação. As empresas, instituições e os inventores são aqueles que desenvolvem soluções em forma de produtos, processos, metodologias e/ou serviços novos ou modificados. O Prêmio Finep é o mais importante instrumento de estímulo e reconhecimento à inovação no País. Desde 1998, já premiou centenas de empresas, instituições e pessoas físicas, sendo responsável pela projeção dos contemplados não apenas no Brasil, como no exterior.

Maiores informações: -http://premio.finep.gov.br/noticia-interna/108-conhecas-os-vencedores-regionais-do-premio-finep-2014 -http://premio.finep.gov.br/ -www.fabriq.com.br -Fredson Encarnação – (92) 99388-1381 -Daniel Goettenauer – (92) 98228-4282

 

Fonte: http://www.fieam.org.br/site/iel/fabriq-recebe-premio-finep-de-inovacao/

03 PM | 03 mar

FabriQ Aceleradora é qualificada e fica na lista de espera no Programa Startup Brasil (MCTI)

O Programa Start-Up Brasil, iniciativa do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), com gestão operacional da Softex, acaba de selecionar as 12 aceleradoras que serão responsáveis por acelerar startups das futuras turmas do Programa, durante o período de 2015-2016. Lançado por meio da Secretaria de Política de Informática (Sepin), a terceira edição recebeu propostas até o dia 31 de janeiro e a seleção, que ocorreu no dia 25 de fevereiro, levou em conta questões como equipe e estrutura; experiência em aceleração e investimento, rede de relacionamento e alinhamento com o Programa Start-Up Brasil.

As aceleradoras qualificadas terão como responsabilidades oferecer um programa completo de aceleração, acompanhar as empresas no dia a dia, difundir e estimular a cultura empreendedora, contribuir para a inserção delas no exterior e as empresas estrangeiras no Brasil, bem como o de realizar aportes de capital de no mínimo R$ 20 mil em troca de uma participação acionária de no máximo 20%.

“Nos anos anteriores, identificamos que o tempo de validação do produto/negócio no mercado, ou seja o tempo que se leva para entender se o mercado pagará para usar o produto, foi de 31% menor entre as startups que estavam com uma aceleradora”, enfatiza Vitor Andrade, Responsável pelas Operações do Programa Start-Up Brasil. “Acreditamos que o trabalho com elas é a forma mais eficiente de fomentarmos as startups, empresas nascentes de base tecnológica e com alto potencial de crescimento, e assim contribuir para o desenvolvimento econômico e social do Brasil por meio da inovação,” finaliza.

Lista de Espera (ordem alfabética)

  • 85 Labs, Ceará
  • Start You Up, Espírito Santo
  • Outsource Brazil, Rio de Janeiro
  • FabriQ, Manaus

Conheça todas as aceleradoras no site do Start-Up Brasil: http://www.startupbrasil.org.br/quem-aceleradoras/. As novas estarão lá em breve.

02 PM | 03 mar

Palestra Economia Criativa: Que Haja Luz

Economia criativa é um conceito oriundo do termo “indústrias criativas”, que surgiu em um discurso intitulado “Creative Nation” (Nação Criativa), proferido pelo Primeiro-ministro da Austrália, em 1994. O objetivo deste discurso era falar sobre o aproveitamento das oportunidades que vinham através da globalização e pelas mídias digitais como instrumento para informar e agregar a criatividade das pessoas e sua contribuição para o desenvolvimento do país. Em 1997, a ideia propagou-se com maior intensidade na Inglaterra, Tony Blair criou uma força-tarefa multissetorial, para enfrentar competição econômica global. Esta força-tarefa foi criada com o intuito de fazer análises acerca das “tendências de mercado e as vantagens competitivas nacionais”. Em diferentes setores e pastas públicas nas áreas de cultura, desenvolvimento, turismo, educação e relações exteriores, dentre outras, evidenciou-se parcerias público-privada e para a articulação.

O cartunista Carlos Ruas é nascido em Niterói/ RJ, formado em Desenho Industrial, foi o responsável pelo departamento de design da Vega Cultural, criador do blog de tiras humorísticas, Um Sábado Qualquer (link: http://www.umsabadoqualquer.com), com apenas 23 anos, no ano de 2009.

O evento tem a proposta de integrar discentes e docentes das universidades localizadas na cidade de Manaus, com especial atenção aos cursos de Administração, Economia e Contabilidade, não obstante, demais interessados pelo tema “Economia Criativa”, com o intuito de disseminar o conhecimento acerca deste tema. O estudo do tema visa estimular nos interessantes formas atrativas de gerar economia através do potencial criativo de cada pessoa.

A palestra ocorrerá dia 25 de fevereiro de 2015 a partir das 18h30, no auditório Rio Amazonas na Faculdade de Estudos Sociais da Universidade Federal do Amazonas.

Realização dos alunos da disciplina de Planejamento e Gestão de Eventos do curso de Administração e coordenação da professora Dra. Kleomara Cerquinho.

 

 

01 PM | 06 jan

Lições de um Jovem Empreendedor

Hoje decidi escrever algo diferente. Vejo muitas pessoas querendo ser advogados(as), médicos(as) ou engenheiros(as). Mas pouquíssimos querem seguir a carreira de negócios. Foi apenas após minha estada de 1 mês no Vale do Silício em 2013 que passei a entender verdadeiramente a beleza desta opção que é se tornar empresário. Por meio deste texto, venho compartilhar com vocês o que aprendi.

Primeiramente, ao contrário do que se pensa, ser empresário não significa necessariamente ser chefe executivo de uma grande multinacional. A profissão tem mais a ver com o potencial de criar e tranformar meras ideias abstratas em realidade. Dessa forma, se você quer mudar o Mundo e tem alta tolerância a riscos, deu sorte: hoje, a internet e tecnologia nos permitem implementar ideias mais facilmente do que nunca. Um computador e um certo conhecimento de programação são suficientes para rodar seu primeiro produto.

Tomemos como exemplo Elon Musk, cofundador do PayPal (gateway de pagamento online mais usado no Mundo), Tesla Motors (empresa de carros elétricos que têm atingido grande sucesso) e SpaceX (a nova geração de exploração espacial privada). Musk começou como imigrante sul-africano nos EUA e através de sua paixão pela invenção, conseguiu revolucionar indústrias. No entanto, não precisamos ir a outros países para achar exemplos de grandes empreendedores. Em Manaus, particularmente, destaca-se Gabriel Benarrós, que também começou com uma pequena ideia e hoje é CEO de uma das maiores empresas de venda de ingressos online do país, a Ingresse.

Com o crescimento da atuação de Venture Capitalists (investidoes ligados a firmas de investimento) e investidores-anjo, dinheiro já não é mais problema para mentes brilhantes. Não é difícil conseguir um aporte de + R$100 mil para sua start-up (empresa em fase inicial) e, acredite, este valor acaba rapidamente se a empresa não possuir um rígido controle de gastos. Em troca desse investimento, a empresa cede parte de sua equity (porcentagem).

Falei de questões monetárias para mostrar que nem sempre ter dinheiro é um fator determinante para um inventor. No entanto, a principal motivação da maioria dos empreendedores é a certeza de que estão contribuindo para um Mundo melhor. De todos os infinitos caminhos que uma pessoa pode seguir, o empreendedorismo é o mais efetivo para aqueles que querem fazer a diferença para a sociedade. Por isso, escolhi-o. Acredito que meras ideias, por vezes até ingênuas, têm o poder de impactar a comunidade humana de forma valorosa. Por exemplo, há 20 anos quem imaginaria que um dia carregaríamos no bolso um aparelho através do qual temos acesso a todo o conhecimento já produzido pelo homem?

Acabo de fornecer um panorama geral do empreendedorismo no Mundo. Agora abordarei as qualidades de um empresário. Para começar, é necessário ter disposição a correr riscos: start-ups passam por períodos de grande incerteza e qualquer erro pode ser devastador. Uma educação contínua também é fundamental. Deve-se buscar principalmente conhecimento informal (através de livros e websites) e prático. Estar sempre informado de tendências, mercados e competidores. Saber vender seu produto/serviço é uma habilidade igualmente almejada no Mundo dos negócios. Afinal, se você não acredita em sua própria ideia, quem acreditará?

Caso você, assim como eu, tenha a vontade de abrir uma companhia, uma boa ideia é começar desde já a estudar business management e marketing. Particularmente, indico os livros A Start-up Enxuta (The Lean Startup) e Contágio: Por Que As Coisas Pegam? (Contagious: Why Things Catch On?). Um bom conhecimento de psicologia comportamental também vem a calhar. Todas essas habilidades podem ser adquiridas gradualmente através de leitura e prática.

Já vi muitas pessoas com ideias fantásticas, mas sem o conhecimento prático para implementá-las. Atualmente, as empresas com base na internet (exemplos: facebook, codecademy, scribd…) são as mais práticas de serem lançadas. Se você se sente atraído por esta área, recomendo que aprenda a programar o quanto antes. A internet está cheia de recursos e não é necessário entrar em um curso presencial. Estou convencido de que dominar linguagens de programação é uma das habilidades mais preciosas no atual Mundo globalizado.

Na altura de meus 17 anos, virei sócio da start-up de turismo de aventura Pra Que Rumo. Tem sido extremamente gratificante trabalhar com o que gosto e assim dar meus primeiros passos nesta longa carreira de negócios que tenho pela frente. Espero ter ajudado você e, caso tenha se interessado, não hesite em me contatar. Adoro conhecer pessoas com os mesmos interesses.

Lembre-se de que seu destino nada mais é do que o conjunto de suas escolhas.

henrique.armond@hotmail.com

www.praquerumo.com.br